[Read in English | Read in Indonesian]

Ecumênico. Não denominacional. Em certos círculos do evangelicalismo, esses são palavrões. (“Catolicidade” é outro). Os críticos dizem que essas palavras representam uma teologia fraca ou rasa - cuja convicção básica é que as convicções não importam muito, desde que todos possamos nos dar bem. Para alguns, esses conceitos representam uma ameaça potencial à missão da igreja ou mesmo ao próprio evangelho.

Outros crentes têm uma visão mais amigável da linguagem conciliatória. Sem comprometer suas convicções fundamentais, eles querem construir pontes com várias igrejas e organizações cristãs ao redor do mundo, unindo-se em missão sempre que possível. Esses princípios são fundamentais para o trabalho de grupos como o Movimento de Lausanne, o Evangelicals and Catholics Together, a Reforming Catholic Confession e o Center for Baptist Renewal (onde atuo como diretor editorial).

No entanto, mesmo aqueles de nós que defendem o ideal de “cristianismo puro e simples”, de C. S. Lewis, acham difícil pô-lo em prática, especialmente por conta de divisões teológicas e denominacionais arraigadas.

Muitos anos atrás, Albert Mohler popularizou a expressão "triagem teológica". Embora o conceito básico compartilhe um certo parentesco com outros chavões cristãos, ele desencadeou uma conversa atual sobre como e por quê os cristãos concordam, discordam ou concordam em ...

Subscriber access only You have reached the end of this Article Preview

To continue reading, subscribe now. Subscribers have full digital access.