Clique aqui e faça o download gratuito do nosso devocional diário “O Evangelho do Advento”.

Leia Apocalipse 22.12-20

A Bíblia se encerra com a oração: “Vem, Senhor Jesus”. É uma oração que ecoa em muitos de nossos hinos do Advento, como “Vem, ó Vem, Emanuel” e “Vem, Jesus, esperado por muito tempo”.

Os cristãos oram por isso desde os primeiros dias; é a oração cristã mais antiga que conhecemos (sem contar o Pai-Nosso). Sabemos disso porque Paulo cita a versão original em aramaico, Maranatha, que significa “Nosso Senhor, venha!” (1Co 16.22). Se Paulo esperava que seus leitores de língua grega em Corinto reconhecessem essa expressão aramaica, ela deve ter tido um lugar-chave na adoração cristã primitiva.

Apocalipse 22.20 é uma resposta à promessa de Jesus de que ele virá. No versículo 12 e novamente no versículo 20, o próprio Jesus diz: “Eu venho em breve”. Essa promessa perpassa todo o livro do Apocalipse (veja 2.5,16; 3.11; 16.15; 22.7,12,20), prometendo julgamento para alguns e bênção para outros, até que finalmente evoca uma resposta: “Vem!”.

Ouvimos essa resposta primeiro no versículo 17. É a oração feita pelo “Espírito e a noiva”. O “Espírito” provavelmente significa o Espírito falando por meio de profetas cristãos em adoração. A noiva é a igreja quando se junta a esta oração do Espírito.

Podemos imaginar a noiva esperando o Noivo chegar. Ela está adornada e pronta para ele (veja 19.7,8). A noiva não é a igreja como tal, mas a igreja como deveria ser, na expectativa e preparada para a vinda do Senhor. É a igreja que ora: “Vem, Senhor Jesus!”.

Devemos imaginar o livro do Apocalipse sendo lido em voz alta no culto cristão. Quando o leitor lê a próxima frase, “Que todos os que ouvirem digam: ‘Vem!’” (22.17, NRSV), toda a congregação se junta à oração, gritando: “Vem, Senhor Jesus!”. Sua oração sincera os identifica como a noiva do Cordeiro.

Contudo, na segunda metade do versículo 17, há uma mudança no uso da palavra: “venha”. Agora são os ouvintes, “todos os que têm sede”, os quais são convidados a “vir” e receber de Deus “a água da vida” (NRSV). A água da vida pertence à nova criação (21.6) e à Nova Jerusalém (22.1). Mas ela já está disponível no presente para aqueles que aguardam a vinda de Jesus.

É como se ele já tivesse vindo até nós, antes de sua vinda final, e nos tivesse dado uma amostra da nova criação. Pois é isso que a salvação é. Esperamos por ele porque nós já o conhecemos.

Richard Bauckham é professor emérito de estudos do Novo Testamento na Universidade de St Andrews, Escócia, e autor de muitos livros, entre eles Theology of the Book of Revelation.

[ This article is also available in English español Français 简体中文 한국어 Indonesian 繁體中文, and русский. See all of our Portuguese (Português) coverage. ]

Boletins gratuitos

Mais boletins