Jump directly to the Content

News&Reporting

Pesquisas na Internet Sobre o Coronavírus Levam Milhões a Ouvir Sobre Jesus

Dezenas de milhares de pessoas clamaram pela salvação através de um click desde o início do surto. O aumento é temporário ou o prenúncio de maior testemunho do evangelho online?
|
Englishespañol
Pesquisas na Internet Sobre o Coronavírus Levam Milhões a Ouvir Sobre Jesus

Milhões de pessoas preocupadas que se voltaram ao Google ansiosas por causa do COVID-19 se conectaram com evangelistas cristãos em seus resultados de busca — levando a um aumento nas conversões online em março.

Nas Filipinas, uma mulher chamada Grace chegou a um site sobre o medo de coronavírus hospedado pela organização de evangelismo da Internet Global Media Outreach (GMO). "Por favor, ajude-me a não me preocupar com tudo", escreveu ela em uma conversa com um conselheiro voluntário. "O que está acontecendo agora é muito confuso." O conselheiro explicou que somente Jesus pode trazer paz duradoura, e Grace recebeu Jesus como seu Salvador.

Já nos EUA, uma voluntária da Associação Evangelística Billy Graham (BGEA) conversou on-line com uma jovem mãe chamada Brittany, preocupada com a possibilidade do COVID-19 tirar a sua vida e a de seus filhos. O voluntário ofereceu esperança e paz, e Brittany também aceitou a Cristo.

Três dos maiores ministérios de evangelismo on-line — OGM, BGEA e Cru — respondem cumulativamente por pelo menos 200 milhões de apresentações do evangelho na Internet a cada ano. Todas as três organizações afirmam que o número de pessoas que buscam informações on-line a respeito de Jesus aumentou desde que o surto do COVID-19 foi declarado uma pandemia no início de março.

Entre meados de março até o final do mês, o OGM registrou um aumento de 170% nos cliques nos anúncios de mecanismos de busca para encontrar esperança. Os cliques nos anúncios sobre medo aumentaram 57% e a preocupação, 39%. As 12,4 milhões de apresentações do evangelho do ministério em março representaram um aumento de 16% em relação à media mensal em 2019.

Essa recente onda corresponde a uma constatação mais ampla de um professor da Universidade de Copenhague: em março pesquisas na Internet relacionadas à oração em 75 países dispararam para seus níveis mais altos em cinco anos.

"Estamos vendo milhões de pessoas dispostas a falar sobre fé diante do medo", disse Michelle Diedrich, diretora de jornada de investigadores da OGM, "e estamos nos preparando para estar disponível para elas".

Pastores, evangelistas e ministérios online tendem a contar uma história semelhante: o COVID-19 escalou uma tendência já significativa em direção ao evangelismo na Internet. À medida que a disseminação do vírus diminui, eles procurarão determinar se o aumento no testemunho on-line pode ser sustentado — e como eles podem melhorar o discipulado para esses novos crentes. Apenas uma fração das pessoas que crêem on-line se envolve em grupos de acompanhamento ou relata começar a frequentar uma igreja local.

Evangelismo via 'elétrons e avatares'

Em março, a BGEA lançou páginas de entrada com recursos sobre coronavírus em seis idiomas (inglês, espanhol, português, coreano, chinês mandarim e árabe). A associação também lançou campanhas de mídia social com o tema "medo".

Nas primeiras quatro semanas, 173.000 pessoas visitaram os sites e mais de 10.000 clicaram em um botão indicando que tomaram decisões por Cristo, disse Mark Appleton, diretor de evangelismo na Internet da BGEA. Isso além do tráfego já registrado nos sites evangelísticos da BGEA, que inclui o SearchForJesus.net e o PeaceWithGod.net, e recebe cerca de 30.000 visitantes por dia. (A CT relatou em 2015 que as apresentações on-line do evangelho pela BGEA eram equivalentes a uma cruzada diária de Billy Graham.)

Um visitante da página do coronavírus, um jovem de 17 anos chamado Donmere, disse a um voluntário no chat: "Eu realmente não sou uma pessoa religiosa, mas não sei mais a quem recorrer, exceto Deus". Quarenta e cinco minutos depois, Donmere era um seguidor de Cristo e materiais de discipulado já haviam sido indicados a ele.

A conversão de Donmere se encaixa no perfil de experiências típicas de salvação na Internet.

O pastor Mark Penick, em sua dissertação de doutorado em 2013 na Dallas Baptist University, estudou convertidos que vieram a Cristo através do site evangelístico IAmSecond.com . Por meio de entrevistas aprofundadas com 37 indivíduos em 17 estados, Penick constatou que todos os seus entrevistados “experimentaram um dilema intransitável” como um divórcio, perda de emprego ou crise financeira que os deixou procurando e questionando. 88% disseram que encontrar um site cristão não era planejado, mas ocorreu "por iniciativa própria" (através de ações como clicar em um anúncio ou resultado de um mecanismo de busca). Cerca de 75% tinham "problemas pessoais de disfunção e dependência" antes de suas conversões online.

Poucas análises acadêmicas sobre evangelismo na Internet já foram registradas — a maioria são dissertações e projetos de doutorado em iniciativas evangelísticas específicas — mas em 2014, o Pew Research Center descobriu que o testemunho on-line informal era relativamente comum. Um em cada cinco americanos disse que compartilhava sua fé online pelo menos semanalmente, e 60% disseram ter visto a religião compartilhada online pelo menos uma vez por semana.

Em 2018, a Barna Research relatou que a maioria dos cristãos concorda que a tecnologia está facilitando a evangelização e que 58% dos não-cristãos disseram que alguém compartilhou sua fé com eles no Facebook, enquanto outros 14% ouviram um testemunho através de outros canais de mídia social.

Ed Stetzer, diretor do Centro de Evangelismo Billy Graham no Wheaton College, disse que os missiologistas geralmente têm uma visão favorável do evangelismo na Internet.

"Historicamente, sempre pensamos em evangelismo sendo feito com os pés e o rosto", disse ele. “Nós vamos e pregamos. Mas as pessoas se sentem bem com a possibilidade de envolver elétrons e avatares ”no século XXI.

Na Cru, testemunhar também envolve emojis. Entre as ferramentas de evangelismo digital da Cru para os campi das faculdades, há uma pesquisa a ser respondida com emojis para iniciar uma conversa espiritual. A presença online da Cru também inclui aplicativos evangelísticos para celular, apresentações do evangelho em vários idiomas e artigos online usando as necessidades detectadas como pontes para o evangelho. Um dos sites evangelísticos mais eficazes do ministério, o EveryStudent.com, recebeu 56 milhões de acessos no ano passado e registrou 657.000 decisões para Cristo.

Em resposta ao COVID-19, a Cru adicionou 52 novos recursos aos seus sites. Um aumento semelhante no tráfego levará o ministério a ultrapassar o número total de visitantes do EveryStudent.com no ano passado em 20 milhões em 2020 e o número de decisões para Cristo em mais de 300.000.

O ministério InterVarsity USA, que foca em universitários, relatou um aumento semelhante no interesse espiritual em meio ao COVID-19. Em um anúncio on-line de angariação de fundos, exibido na primeira semana de abril, o ministério afirmou: Na última semana vimos mais decisões iniciais de seguir Jesus do que em qualquer outra época do ano passado".

Um estudo do American Enterprise Institute sugeriu que os jovens alvos de ministérios como Cru e InterVarsity podem estar mais preocupados com o coronavírus — pelo menos em alguns aspectos — do que com os colegas nas gerações mais velhas.

A pesquisa constatou que 53% dos jovens de 18 a 29 anos estão preocupados em poder pagar os custos básicos de moradia em meio à pandemia. 59% das pessoas entre 30 e 49 anos expressaram a mesma preocupação, em comparação com apenas 29% dos americanos com 65 anos ou mais. Em todas as gerações, as pessoas disseram que o surto de coronavírus fez com que elas se sentissem mais próximas de Deus, incluindo 14% dos não religiosos.

Apesar do aumento documentado do interesse religioso à medida que o COVID-19 varre o mundo, ainda não está claro quanto do aumento do tráfego religioso na Internet se deve ao aumento desse interesse e quanto é simplesmente uma substituição temporária da atividade religiosa pessoal. A Cru, por exemplo, colocou todos os seus grupos de evangelismo e discipulado on-line através do software de videoconferência Zoom. Em um único dia no final de março, a Cru realizou 746 ligações Zoom, em comparação com 474 durante todo o mês de fevereiro, antes do início do distanciamento social para os EUA.

Em 29 de março, apenas 7% das igrejas americanas ainda estavam realizando reuniões presenciais e a maioria havia se mudado para a Internet, de acordo com uma pesquisa da LifeWay Research. Apenas 8% dos pastores protestantes disseram que não haviam fornecido sermões ou cultos on-line para suas congregações durante o mês de março.

A Grande Comissão digital

Independente do impacto no tráfego da Internet ser permanente ou temporário, fica claro que o alcance do evangelismo on-line é global. Durante uma semana em março, os recursos digitais da Cru foram acessados de todos os países do mundo, disse o vice-presidente da Cru, Mark Gauthier.

Graças às ferramentas on-line, o corpo de Cristo "tem a capacidade de plantar igrejas em todo grupo de pessoas não alcançadas" com menores custos de recursos do que qualquer outra época, disse ele. "Este é um dos maiores momentos da história da igreja para o cumprimento da Grande Comissão."

Os locais críticos do COVID-19 receberam um foco evangelístico on-line específico. A BGEA lançou uma campanha de mídia social em espanhol voltada para a Espanha, onde cerca de 120.000 testaram positivo para o coronavírus e quase 11.000 morreram. Durante a primeira semana da campanha, 93.000 pessoas visualizaram postagens direcionadas do Facebook por pelo menos 10 segundos. Mais de 1.000 pessoas conversaram em mensagens sociais em uma única semana com voluntários da BGEA em inglês e espanhol.

O evangelista batista Sammy Tippit tem planos de pregar o evangelho nos próximos meses no Irã, onde 45.000 casos do COVID-19 foram relatados. Aos 72 anos, Tippit experimentou o poder do evangelismo na Internet apenas nos últimos quatro anos. Sua jornada on-line começou pregando sermões evangelísticos para aldeias na Índia via Skype. Isso levou a um evento do Skype, onde 10.000 indianos se reuniram para assistir à pregação de Tippit por vídeo, e 5.000 indicaram o desejo de dedicar suas vidas a Cristo.

Para acompanhar esses novos crentes, Tippit começou a fazer vídeos de discipulado de três minutos e a distribuí-los nas mídias sociais. Os vídeos decolaram e agora uma rede global de seus parceiros ministeriais está se preparando para distribuir vídeos de dois sermões de Tippit a seus amigos não-cristãos nos dias 30 e 31 de maio. Os sermões serão traduzidos para 10 idiomas e distribuídos pelo aplicativo de mensagens WhatsApp em quase 70 países, com um público previsto de 10 milhões de pessoas.

Uma estação de televisão no Irã soube dessa ênfase e está firmando parceria com Tippit para distribuir os sermões evangelísticos para mais 6 milhões de pessoas.

Apenas uns poucos evangelistas estão realizando ministérios online nessa escala, disse Tippit, presidente da Conferência dos Evangelistas Batista do Sul. Mas "muitas pessoas que conheço" estão "fazendo algo no Facebook" e atingindo centenas. Tippit planeja treinar outros evangelistas para expandir seu alcance através da Internet.

Ponto fraco do evangelismo de massa

A maior dificuldade com o evangelismo online é o acompanhamento. Enquanto 60.000 pessoas por dia no ano passado indicaram nos sites da OGM que haviam tomado decisões por Cristo (compromissos pela primeira vez ou rededicações), o ministério só conseguiu rastrear 5.244 pessoas durante todo o ano que se conectaram a uma igreja local depois de iniciar sua jornada com Cristo. "Este foi o nosso maior desafio", disse Diedrich.

Agora, com o coronavírus mantendo as portas das igrejas fechadas por enquanto, os novos crentes precisarão depender ainda mais dos recursos da web para o discipulado.

Das 10.000 pessoas que indicaram decisões de salvação durante a campanha COVID-19 da BGEA, cerca de 2.030 solicitaram acompanhamento. Para a BGEA, canalizar novos convertidos para cursos de discipulado on-line é uma parte importante do processo de acompanhamento, além de incentivar novos crentes a se conectarem a uma igreja local. Em março, o ministério viu 3.043 pessoas matriculadas em cursos de discipulado, 37% acima da média mensal de matrículas. A Cru afirma que 40% dos indivíduos que registram decisões pela salvação através do EveryStudent.com seguem para o acompanhamento on-line. Isso inclui trabalhar através de uma série de lições de discipulado e a oportunidade de interagir com alguém pelo chat para discutir o que está aprendendo.

No entanto, a dificuldade de acompanhar aqueles que professam a fé não é exclusiva do evangelismo na Internet. O mesmo problema afetou cruzadas e outras formas de evangelismo em massa, disse Stetzer.

"Este tem sido o ponto fraco de todo mundo nos últimos cem anos", disse ele. No entanto, “não devemos nos afastar porque esse é o desafio. Deveríamos lidar com a questão ”através de“ laços mais fortes com as igrejas locais”.

Apesar do desafio de acompanhamento, os benefícios do evangelismo on-line parecem superar suas desvantagens. Os missiologistas observam a disposição dos candidatos a discutir assuntos espirituais em maior profundidade por causa do anonimato oferecido on-line. As pessoas também geralmente confiam no aconselhamento bíblico em sites que aparentam ser respeitáveis e profissionais. Além disso, o testemunho na Internet cria uma oportunidade de menor estresse para as tentativas iniciais de evangelismo de cristãos que podem se sentir hesitantes em compartilhar sua fé pessoalmente.

Um voluntário on-line da BGEA relatou: “Eu moro em frente ao meu vizinho há 10 anos e acabei de compartilhar o evangelho com ele pela primeira vez, porque comecei a evangelizar na Internet e aprendi como realmente conversar com as pessoas”, disse Appleton.

Entre as próximas fronteiras no compartilhamento on-line do evangelho está o Dia Mundial de Divulgação 2020 . Com previsão para 30 de maio, o dia foi amplamente divulgado on-line pelo COVID-19 e pela natureza cada vez mais digital do mundo. Uma coalizão internacional de organizadores estabeleceu uma meta de mobilizar 100 milhões de crentes para compartilhar o evangelho com 1 bilhão de pessoas em todo o mundo em maio.

Entre os principais métodos evangelísticos, serão postados testemunhos pessoais on-line, que depois serão compartilhados com amigos via texto ou mídia social. (A Convenção Batista do Sul lançou uma campanha semelhante, já que a pandemia causou ajustes forçados no seu esforço evangelístico Who's Your One?).

Se todo cristão enviasse uma apresentação do evangelho para uma pessoa on-line e pedisse a sua opinião, Gauthier disse: "você veria muitas pessoas tendo a chance de conhecer a Cristo e também muitos frutos".

David Roach é escritor em Nashville.

What do you think of this translation? Want to see CT do more? Interested in helping us improve the quality and quantity? Share your feedback here.

[ This article is also available in English and español. See all of our Portuguese (Português) coverage. ]

Read These Next

close